Bloqueio de Nervo do Plexo Braquial Infraclavicular Guiado por Ultrassom - NYSORA | NYSORA

Bloqueio do Nervo do Plexo Braquial Infraclavicular Guiado por Ultrassom

Arthur Atchabahian, Catherine Vandepitte, and Ana M. Lopez

FATOS

  • Indicações: cirurgia de braço, cotovelo, antebraço e mão (Figura 1)
  • Posição do transdutor: aproximadamente parassagital, imediatamente medial ao processo coracóide, inferior à clavícula
  • Objetivo: anestésico local espalhado ao redor da artéria axilar
  • Volume do anestésico local: 20–30 mL

FIGURA 1. Distribuição do bloqueio sensitivo do bloqueio do nervo infraclavicular do plexo braquial.

CONSIDERAÇÕES GERAIS

O bloqueio do nervo do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom (US) é, de certa forma, simples e desafiador. É simples, pois a identificação do pulso arterial na imagem ultrassonográfica é um objetivo primário fácil no estabelecimento do marco. No entanto, o plexo neste nível está situado mais profundamente e o ângulo de abordagem é mais agudo, tornando a visualização simultânea da agulha e da anatomia relevante mais desafiadora. Felizmente, embora nem sempre seja possível identificar com segurança os três cordões do plexo, um bloqueio nervoso adequado pode ser obtido simplesmente depositando o anestésico local em forma de U ao redor da artéria. O bloqueio do nervo do plexo braquial infraclavicular é bem adequado para a técnica do cateter, pois a musculatura da parede torácica ajuda a estabilizar o cateter e evita seu deslocamento em comparação com a localização mais superficial usada com o interescalena e a supraclavicular abordagem do bloqueio do plexo braquial.

ANATOMIA DE ULTRASSOM

A artéria axilar pode ser identificada profundamente aos músculos peitoral maior e menor. Um esforço deve ser feito para obter uma visão clara de ambos os músculos peitorais e suas respectivas fáscias. Isso é importante porque a área de interesse fica abaixo da fáscia do músculo peitoral menor. Ao redor da artéria estão os três fascículos do plexo braquial: os fascículos lateral, posterior e medial. Estes são nomeados por sua posição usual em relação à artéria axilar, embora haja uma grande variação anatômica. Com o lado esquerdo da tela correspondendo ao aspecto cefálico, as cordas muitas vezes podem ser vistas como estruturas hiperecogênicas redondas nas posições de aproximadamente 9 horas (cordão lateral), 7 horas (cordão posterior) e 5 horas. relógio (cabo medial) (Figuras 2 e a 3). A veia axilar é vista como uma estrutura hipoecoica compressível que se situa medialmente à artéria axilar. Vários outros vasos menores (por exemplo, a veia cefálica) também estão frequentemente presentes. O transdutor é movido no sentido cefálico-caudal e médio-lateral até que a artéria seja identificada em corte transversal. Dependendo da profundidade selecionada e do nível em que o escaneamento é realizado, a parede torácica e a pleura podem ser vistas no aspecto medial e mais caudal da imagem. A artéria axilar e/ou o plexo braquial são tipicamente identificados a uma profundidade de 3 a 5 cm em pacientes de tamanho médio.

FIGURA 2. Anatomia do plexo braquial (PB) infraclavicular e posição do transdutor. Plano sagital paramediano ao nível do processo coracóide. O BP é visto circundando a artéria axilar (AA) sob o processo coracóide e o músculo peitoral menor (PMiM). Observe que a injeção de anestésico local deve ocorrer abaixo da fáscia do PMiM para se espalhar ao redor do AA.

FIGURA 3. Imagem ultrassonográfica do plexo braquial (PB) distal à clavícula. Observe que a BP, artéria axilar (AA) e veia axilar (AV) estão localizadas abaixo da fáscia (linha vermelha) do músculo peitoral menor (PMiM). LC, cordão lateral; MC, cordão medial; PC, cordão posterior; PMaM, músculo peitoral maior.

Do Compêndio de Anestesia Regional: Priming cognitivo para um bloqueio do plexo braquial infraclavicular.

Para uma revisão mais abrangente do plexo braquial, consulte Anatomia Funcional da Anestesia Regional.

DISTRIBUIÇÃO DE ANESTESIA

A abordagem infraclavicular para bloqueio do plexo braquial resulta em anestesia do membro superior abaixo do ombro. Se necessário, a pele da face medial do braço (nervo intercostobraquial, T2) pode ser bloqueada por uma injeção subcutânea adicional na face medial do braço imediatamente distal à axila. Uma abordagem mais simples é que os cirurgiões infiltrem a pele com o anestésico local diretamente sobre a linha de incisão, conforme necessário.

EQUIPAMENTO

O equipamento recomendado para um bloqueio do nervo infraclavicular do plexo braquial inclui o seguinte:

  • Máquina de ultrassom com transdutor linear (8–14 MHz), manga estéril e gel
  • Bandeja de bloqueio de nervo padrão
  • 20–30 mL de anestésico local em seringas
  • Agulha estimulante isolada de 8 a 10 cm, calibre 21 a 22, bisel curto
  • Estimulador de nervos periféricos
  • Sistema de monitoramento de pressão de injeção de abertura
  • Luvas esterilizadas

Saiba mais sobre Equipamento para Blocos de Nervos Periféricos

MARCOS E POSICIONAMENTO DO PACIENTE

Qualquer posição que permita o posicionamento confortável do transdutor de ultrassom e o avanço da agulha é apropriada. O bloqueio do nervo é tipicamente realizado com o paciente em decúbito dorsal com a cabeça virada para o lado a ser bloqueado.Figura 4). O braço é abduzido a 90 graus e o cotovelo flexionado. Essa manobra eleva a clavícula, reduz a profundidade da pele ao plexo e facilita substancialmente a visualização dos músculos peitorais, bem como das cordas do plexo braquial e da agulha. O processo coracóide é um marco importante e pode ser facilmente identificado pela palpação da proeminência óssea medial ao ombro enquanto o braço é elevado e abaixado. À medida que o braço é abaixado, o processo coracóide encontra os dedos da mão palpadora. A varredura geralmente começa medialmente ao processo coracóide e inferiormente à clavícula. Mantendo a sonda no plano parassagital, a varredura medial e lateral permite localizar a parede torácica e a pleura (Figura 5). O bloqueio do nervo deve ser realizado com a sonda lateral à pleura para minimizar o risco de pneumotórax.

FIGURA 4. Posição do paciente para inserção da agulha de bloqueio do nervo infraclavicular do plexo braquial. O transdutor é posicionado parassagitalmente medialmente ao processo coracóide e inferior à clavícula.

FIGURA 5. Bloqueio do nervo infraclavicular guiado por ultrassom: um movimento medial-lateral da sonda é usado para evitar a área onde a agulha avançada no plano parassagital poderia entrar na pleura. (UMA) Vista lateral parassagital: o serrátil anterior é visto entre o feixe neurovascular e a pleura. (B) Nesta posição da sonda, a pleura fica mais próxima do plexo braquial.

META

O objetivo da técnica é injetar anestésico local até que a disseminação ao redor da artéria seja verificada por ultrassom. Não é necessário identificar e direcionar cabos individuais. Em vez disso, a injeção de anestésico local para circundar a artéria em um padrão em forma de U (cefálica, caudal e posterior) é suficiente para o bloqueio nervoso de todos os três cordões.

Do Compendium of Regional Anesthesia: Reverse Ultrasound Anatomy para um bloqueio do plexo braquial infraclavicular com inserção de agulha no plano e dispersão do anestésico local (azul). AA, artéria axilar; AV, veia axilar; LC, cordão lateral; MC, cordão medial; PC, cordão posterior.

TÉCNICA

Com o paciente na posição adequada, a pele é desinfetada e o transdutor é posicionado no plano parassagital para identificar a artéria axilar (ver Figura 3 e a 4). Isso pode exigir o ajuste do profundidade, dependendo da espessura da musculatura da parede torácica do paciente. A artéria axilar é tipicamente vista entre 3 e 5 cm. Uma vez identificada a artéria, tenta-se identificar os cordões hiperecogênicos do plexo braquial e suas posições correspondentes em relação à artéria, embora nem sempre sejam identificáveis. Felizmente, a visualização dos cordões não é necessária para o bloqueio bem-sucedido. A agulha é inserida no plano a partir da extremidade cefálica da sonda, com o ponto de inserção logo abaixo da clavícula (ver Figura 4). A agulha é direcionada para o aspecto posterior da artéria axilar e passa pelos músculos peitoral maior e menor. Se estimulação nervosa é usado concomitantemente (0.5-0.8 mA, 0.1 ms), a primeira resposta motora é frequentemente da medula lateral (flexão do cotovelo ou flexão do dedo). À medida que a agulha avança mais abaixo da artéria, pode aparecer uma resposta motora do cordão posterior (extensão do dedo e do punho). Após a aspiração cuidadosa, 1–2 mL de anestésico local são injetados para confirmar o posicionamento e a dispersão adequados da agulha. O injetado deve se espalhar cefálica e caudalmente para cobrir os fascículos lateral e medial, respectivamente (Figura 6).

FIGURA 6. Imagem de ultra-som demonstrando um caminho de agulha ideal para o bloqueio do nervo infraclavicular do plexo braquial. A área sombreada em azul imita uma distribuição ideal do anestésico local ao redor da artéria axilar (AA) e atinge todos os três fascículos do plexo braquial (o fascículo lateral [LC], o cordão posterior [PC] e o cordão medial [MC]) abaixo a fáscia (linha vermelha) do músculo peitoral menor (PMiM), músculo peitoral maior (PMaM) e veia axilar (AV).

Quando uma única injeção de anestésico local parece não resultar em disseminação adequada, pode ser necessário reposicionamento adicional da agulha e injeções ao redor da artéria axilar. Em um paciente adulto, 20 a 30 mL de anestésico local geralmente são adequados para um bloqueio bem-sucedido. Embora uma única injeção de um volume tão grande de anestésico local muitas vezes seja suficiente, pode ser benéfico injetar duas a três alíquotas menores em locais diferentes para garantir a dispersão do anestésico local em todos os planos que contêm o plexo braquial. Há relatos de septos que dificultam a difusão do anestésico local ao redor da artéria e, quando isso parece ser o caso, o reposicionamento da ponta da agulha para obter uma propagação em forma de U garantirá o sucesso do bloqueio do nervo. Abordagens alternativas para bloquear o nervo do plexo braquial distal à clavícula foram descritas. A Injeção única entre as cordas em um nível mais cefálico (o espaço costoclavicular), onde o plexo braquial pode ser visualizado lateralmente à artéria (Figura 7).

FIGURA 7. Visão ultrassonográfica do plexo braquial no espaço costoclavicular. Os fascículos lateral (LC), medial (MC) e posterior (PC) estão agrupados lateralmente à artéria axilar situada mais superficialmente. Nesse nível, o peitoral menor não é visto profundamente ao peitoral maior.

DICAS

• Um artefato posterior à artéria é muitas vezes mal interpretado como o cordão posterior. Figura 6.
. Uma manobra de “calcanhar para cima” (balançar a sonda em direção à cabeça do paciente em um plano parassagital, deprimindo os tecidos caudais à sonda) facilita a mudança do ângulo da agulha conforme necessário (consulte Figura 4).
• Para diminuir o risco de complicações, siga as seguintes diretrizes:
• Aspire intermitentemente a cada 5 mL para diminuir o risco de injeção intravascular.
• Não injete se o resistência à injeção é alto (> 15 psi).

BLOCO NERVOSO INFRACLAVICULAR GUIADO POR ULTRASSOM CONTÍNUO

O objetivo do bloqueio contínuo do nervo infraclavicular é semelhante às técnicas não baseadas em ultra-som: colocar o cateter na vizinhança dos fascículos do plexo braquial abaixo dos músculos peitorais. O procedimento consiste em três fases: (1) colocação da agulha; (2) avanço do cateter; e (3) fixação do cateter. Nas duas primeiras fases do procedimento, o ultrassom pode ser usado para garantir a precisão na maioria dos pacientes. A agulha é tipicamente inserida no plano da direção cefálica para caudal, semelhante à técnica de injeção única.Figura 8). Assim como na técnica de injeção única, a ponta da agulha deve ser colocada posteriormente à artéria axilar antes da injeção e do avanço do cateter. A colocação adequada da agulha também pode ser confirmada pela obtenção de uma resposta motora do cordão posterior (extensão do dedo ou punho), no qual 1–2 mL de anestésico local são injetados. O restante da técnica, avanço e fixação do cateter é o mesmo descrito anteriormente (secção de bloqueio nervoso contínuo, Bloqueio de Nervo do Plexo Braquial Interescalênico Guiado por Ultrassom). Um começo típico infusão regime é de 5 mL/h, seguido por bolus de 8 mL controlados pelo paciente a cada hora. O maior volume de bolus é necessário para a distribuição adequada do injetável ao redor da artéria de modo que todos os fascículos do plexo braquial sejam alcançados.

FIGURA 8. A posição do paciente, a imagem e a colocação da agulha para o bloqueio contínuo do nervo infraclavicular do plexo braquial são semelhantes aos da técnica de injeção única. Uma vez que o posicionamento adequado da ponta da agulha é determinado pela injeção de um pequeno volume de anestésico local, o cateter é inserido 2 a 4 cm além da ponta da agulha.

Siga o link para Bloqueios Contínuos de Nervos Periféricos para obter informações adicionais.

 

REFERÊNCIAS

  • Ruiz A, Sala X, Bargallo X, Hurtado P, Arguis MJ, Carrera A: A influência da abdução do braço nas relações anatômicas do plexo braquial infraclavicular: um estudo ultrassonográfico. Anesth Analg 2009;108:364–366.
  • Auyong DB, Gonzales J, Benonis JG: A clavícula de Houdini: a abdução do braço e o ajuste do local de inserção da agulha melhoram a visibilidade da agulha para o bloqueio do nervo infraclavicular. Reg Anesth Pain Med 2010;35:403–404.
  • Fredrickson MJ, Wolstencroft P, Kejriwal R, Yoon A, Boland MR, Chinchanwala S: Bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom de injeção única versus tripla: confirmação da eficácia da técnica de injeção única. Anesth Analg 2010;111:1325–1327.
  • Tran DQ, Bertini P, Zaouter C, Muñoz L, Finlayson RJ: Uma comparação prospectiva e randomizada entre bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom com injeção única e dupla. Reg Anesth Pain Med 2010;35:16–21.
  • Desgagnés MC, Lévesque S, Dion N, et al: Uma comparação de uma técnica de injeção única ou tripla para bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom: um estudo prospectivo randomizado controlado. Anesth Analg 2009;109:668–672
  • Dolan J: Os planos fasciais que inibem a propagação do anestésico local durante o bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom não se limitam ao aspecto posterior da artéria axilar. Reg Anesth Pain Med 2009; 34:612–613
  • Morimoto M, Popovic J, Kim JT, Kiamzon H, Rosenberg AD: Série de casos: os septos podem influenciar a disseminação do anestésico local durante os bloqueios do plexo braquial infraclavicular. Can J Anaesth 2007;54:1006–1010.
  • Aguirre J, Baulig B, Borgeat A: O bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom atende às expectativas dos usuários? Can J Anaesth 2010;57:176–177.
  • Akyildiz E, Gurkan Y, Caglayan C, Solak M, Toker K: Estimulação simples versus dupla durante um bloqueio infraclavicular sagital lateral. Acta Anesthesiol Scand 2009;53:1262–1267.
  • Arcand G, Williams SR, Chouinard P, et al: bloqueio infraclavicular versus supraclavicular guiado por ultrassom. Anesth Analg 2005;101:886–890.
  • Benkhadra M, Faust A, Fournier R, Aho LS, Girard C, Feigl G: Possível explicação para falhas durante o bloqueio infraclavicular: uma observação anatômica em cadáveres embalsamados de Thiel. Br J Anaesth 2012;109: 128–129.
  • Berry JM: Colocação seletiva de anestésico local usando orientação por ultrassom e neuroestimulação para bloqueio do plexo braquial infraclavicular. Anesth Analg 2010;110:1480–1485.
  • Bigeleisen P, Wilson M: Uma comparação de duas técnicas para bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom. Br J Anaesth 2006;96:502–507.
  • Bigeleisen PE: Bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom em paciente anticoagulado e anestesiado. Anesth Analg 2007;104:1285–1287.
  • Bloc S, Garnier T, Komly B, et al: Propagação do injetável associada à resposta motora do tipo nervo radial ou mediano durante o bloqueio do plexo braquial infraclavicular: uma avaliação ultrassonográfica. Reg Anesth Pain Med 2007;32:130–135.
  • Bowens C Jr, Gupta RK, O'Byrne WT, et al: Colocação seletiva de anestésico local usando orientação por ultrassom e neuroestimulação para bloqueio do plexo braquial infraclavicular. Anesth Analg 2010;110:1480–1485.
  • Brull R, Lupu M, Perlas A, Chan VW, McCartney CJ: Em comparação com a estimulação nervosa dupla, a orientação por ultrassom reduz o tempo para a execução do bloqueio infraclavicular. Can J Anaesth 2009;56:812–818.
  • Brull R, McCartney CJ, Chan VW: Uma nova abordagem para o bloqueio do plexo braquial infraclavicular: a experiência do ultrassom. Anesth Analg 2004;99:950.
  • Chin KJ, Alakkad H, Adhikary SD, Singh M: Bloqueio do plexo braquial infraclavicular para anestesia regional do antebraço. Sistema de banco de dados Cochrane Rev 2013;8:CD005487.
  • Chin KJ, Singh M, Velayutham V, Chee V: Bloqueio infraclavicular do plexo braquial para anestesia regional do antebraço. Anesth Analg 2010;111:1072.
  • Chin KJ, Singh M, Velayutham V, Chee V: Bloqueio infraclavicular do plexo braquial para anestesia regional do antebraço. Sistema de banco de dados Cochrane Rev 2010;2:CD005487.
  • Dhir S, Ganapathy S: Avaliação comparativa do bloqueio contínuo do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom com cateter estimulador e técnica tradicional: um estudo prospectivo-randomizado. Acta Anesthesiol Scand 2008;52:1158–1166.
  • Dhir S, Ganapathy S: Uso de orientação por ultrassom e realce de contraste: um estudo da abordagem contínua do plexo braquial infraclavicular. Acta Anesthesiol Scand 2008;52:338–342.
  • Dhir S, Singh S, Parkin J, Hannouche F, Richards RS: Substituição da articulação de múltiplos dedos e fisioterapia contínua usando cateteres infraclaviculares bilaterais guiados por ultrassom para analgesia bilateral contínua da extremidade superior. Can J Anaesth 2008;55:880–881.
  • Dingemans E, Williams SR, Arcand G, et al: Neuroestimulação no bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom: um estudo prospectivo randomizado. Anesth Analg 2007;104:1275–1280.
  • Dolan J: Os planos fasciais que inibem a propagação do anestésico local durante o bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom não se limitam ao aspecto posterior da artéria axilar. Reg Anesth Pain Med 2009;34:612–613.
  • Dolan J: Bloqueio do nervo infraclavicular guiado por ultrassom e da veia cefálica. Reg Anesth Pain Med 2009;34:528–529.
  • Eren G, Altun E, Pektas Y, et al: Até que ponto os anestésicos locais podem ser reduzidos para bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom? Anestesista 2014;63:760–765.
  • Fredrickson MJ, Patel A, Young S, Chinchanwala S: Velocidade de início do bloqueio do plexo braquial guiado por ultrassonografia infraclavicular e “bolsa de canto supraclavicular”: uma comparação randomizada do observador cego. Anestesia 2009;64:738–744.
  • Gleeton D, Levesque S, Trépanier CA, Gariépy JL, Brassard J, Dion N: Hematoma axilar sintomático após bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom em paciente com aneurisma micótico de extremidade superior não diagnosticado. Anesth Analg 2010;111:1069–1071.
  • Gurkan Y, Acar S, Solak M, Toker K: Comparação da estimulação nervosa versus bloqueio infraclavicular sagital lateral guiado por ultrassom. Acta Anesthesiol Scand 2008;52:851–855.
  • Gurkan Y, Ozdamar D, Hosten T, Solak M, Toker K: Bloqueio infraclavicular sagital lateral guiado por ultrassom para liberação do retalho peitoral. Agri 2009;21:39–42.
  • Gurkan Y, Tekin M, Acar S, Solak M, Toker K: A estimulação do nervo é necessária durante um bloqueio infraclavicular sagital lateral guiado por ultrassom? Acta Anesthesiol Scand 2010;54:403–407.
    Jiang XB, Zhu SZ, Jiang Y, Chen QH, Xu XZ: Dose ótima de mistura anestésica local no bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom via abordagem coracóide: análise de 160 casos [em chinês]. Zhonghua Yi Xue Za Zhi 2009;89:449–452.
  • Kalagara HK, Uppal V, McKinlay S, Macfarlane AJ, Anderson K: Efeito do índice de massa corporal no ângulo de inserção da agulha durante o bloqueio do plexo braquial sagital lateral infraclavicular guiado por ultrassom. J Clin Anesth 2015; §27:375–379.
  • Karmakar MK, Sala-Blanch X, Songthamwat B, Tsui BC: Benefícios do espaço costoclavicular para bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom: descrição de uma abordagem costoclavicular. Reg Anesth Pain Med 2015;40:287–288.
  • Koscielniak-Nielsen ZJ, Frederiksen BS, Rasmussen H, Hesselbjerg L: Uma comparação de bloqueios supraclaviculares e infraclaviculares guiados por ultrassom para cirurgia de extremidades superiores. Acta Anesthesiol Scand 2009;53:620–626.
  • Koscielniak-Nielsen ZJ, Rasmussen H, Hesselbjerg L: Pneumotórax após um bloqueio infraclavicular sagital lateral guiado por ultrassom. Acta Anesthesiol Scand 2008;52:1176–1177.
  • Lecours M, Lévesque S, Dion N, Nadeau MJ, Dionne A, Turgeon AF: Complicações do bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom de injeção única: um estudo de coorte. Can J Anaesth 2013;60:244–252.
  • Levesque S, Dion N, Desgagne MC: Endpoint para bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom com sucesso. Can J Anaesth 2008;55:308.
  • Marhofer P, Harrop-Griffiths W, Willschke H, Kirchmair L: Quinze anos de orientação por ultrassom em anestesia regional: parte 2—desenvolvimentos recentes em técnicas de bloqueio. Br J Anaesth 2010;104:673–683.
  • Mariano ER, Loland VJ, Bellars RH, et al: Orientação por ultrassom versus estimulação elétrica para inserção de cateter perineural do plexo braquial infraclavicular. J Ultrasound Med 2009;28:1211–1218.
  • Martinez Navas A, De La Tabla Gonzalez RO: A técnica guiada por ultrassom permitiu a detecção precoce de injeção intravascular durante um bloqueio do plexo braquial infraclavicular. Acta Anesthesiol Scand 2009;53:968–970.
  • Moayeri N, Renes S, van Geffen GJ, Groen GJ: Bloqueio vertical do plexo braquial infraclavicular: redirecionamento da agulha após elicitação da flexão do cotovelo. Reg Anesth Pain Med 2009;34:236–241.
  • Morimoto M, Popovic J, Kim JT, Kiamzon H, Rosenberg AD: Série de casos: os septos podem influenciar a disseminação do anestésico local durante os bloqueios do plexo braquial infraclavicular. Can J Anaesth 2007;54:1006–1010.
  • Nadig M, Ekatodramis G, Borgeat A: Bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom. Br J Anaesth 2003;90:107–108.
  • Ootaki C, Hayashi H, Amano M: Bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom: uma técnica alternativa às abordagens guiadas por marcos anatômicos. Reg Anesth Pain Med 2000;25:600–604.
  • Perlas A, Chan VW, Simons M: Exame e localização do plexo braquial usando ultrassom e estimulação elétrica: um estudo voluntário. Anestesiologia 2003;99:429–435.
  • Ponde V, Shah D, Johari A: Confirmação da distribuição do anestésico local pelo contraste radiopaco após cateteres infraclaviculares guiados por ultrassom colocados ao longo do cordão posterior em crianças: uma análise prospectiva. Pediatra Anaesth 2015;25:253–257.
  • Ponde VC, Diwan S: A orientação por ultrassom melhora a taxa de sucesso do bloqueio do plexo braquial infraclavicular quando comparado à estimulação nervosa em crianças com mãos tortas radiais? Anesth Analg 2009;108: 1967–1970.
  • Porter JM, McCartney CJ, Chan VW: A colocação da agulha e a injeção posterior à artéria axilar podem predizer o sucesso do bloqueio do plexo braquial infraclavicular: relato de três casos. Can J Anaesth 2005;52: 69–73.
  • Punj J, Joshi A, Darlong V, Pandey R: Características ultrassonográficas da propagação durante o bloqueio do plexo infraclavicular. Reg Anesth Pain Med 2009;34:73.
  • Renes S, Clark L, Gielen M, Spoormans H, Giele J, Wadhwa A: Uma abordagem simplificada para o bloqueio vertical do plexo braquial infraclavicular usando Doppler portátil. Anesth Analg 2008;106:1012–1014.
  • Sahin L, Gul R, Mizrak A, et al: O bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom aumenta o fluxo sanguíneo pós-operatório em fístulas arteriovenosas. J Vasc Surg 2011;54:749–753.
  • Sala-Blanch, Reina MA, Pangthipampai P, Karmakar MK. Bases Anatômicas do Bloqueio do Plexo Braquial no Espaço Costoclavicular Um Estudo Anatômico de Cadáver. Reg Anesth Pain Med 2016;41:387–391.
  • Sandhu NS, Capan LM: Bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom. Br J Anaesth 2002;89:254–259.
  • Sandhu NS, Maharlouei B, Patel B, Erkulwater E, Medabalmi P: Bloqueios bilaterais simultâneos do plexo braquial infraclavicular com dose baixa de lidocaína guiada por ultrassom. Anestesiologia 2006;104:199–201.
  • Sandhu NS, Sidhu DS, Capan LM: A comparação de custos do bloqueio do plexo braquial infraclavicular por estimulador de nervo e orientação por ultrassom. Anesth Analg 2004;98:267–268.
  • Sauter AR, Dodgson MS, Stubhaug A, Halstensen AM, Klaastad O: Estimulação elétrica nervosa ou orientação por ultrassom para bloqueios infraclaviculares sagitais laterais: um estudo comparativo randomizado, controlado, cego para observadores. Anesth Analg 2008;106:1910–1915.
  • Sauter AR, Smith HJ, Stubhaug A, Dodgson MS, Klaastad O: Uso de ressonância magnética para definir a localização anatômica mais próxima de todos os três cordões do plexo braquial infraclavicular. Anesth Analg 2006;103: 1574–1576.
  • Slater ME, Williams SR, Harris P, et al: Avaliação preliminar de cateteres infraclaviculares inseridos guiados por ultrassom: a anestesia através do cateter não é inferior aos bloqueios através da agulha. Reg Anesth Pain Med 2007;32:296–302.
  • Taboada M, Rodriguez J, Amor M, et al: A orientação por ultrassom é superior à estimulação nervosa convencional para bloqueio do plexo braquial infraclavicular coracóide? Reg Anesth Pain Med 2009;34:357–360.
  • Tedore TR, YaDeau JT, Maalouf DB, et al: Comparação do bloqueio axilar transarterial e do bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom para cirurgia de extremidade superior: um estudo prospectivo randomizado. Reg Anesth Pain Med 2009;34:361–365.
  • Trabelsi W, Amor MB, Lebbi MA, Romdhani C, Dhahri S, Ferjani M: O ultrassom não diminui a duração do procedimento, mas proporciona um início mais rápido do bloqueio sensorial e motor em comparação com o estimulador de nervo no bloqueio do plexo braquial infraclavicular. Coreano J Anesthesiol 2013;64:327–333.
  • Tran DQ, Bertini P, Zaouter C, Muñoz L, Finlayson RJ: Uma comparação prospectiva e randomizada entre bloqueio do plexo braquial infraclavicular guiado por ultrassom com injeção única e dupla. Reg Anesth Pain Med 2010;35:16–21.
  • Tran DQ, Charghi R, Finlayson RJ: O sinal da “bolha dupla” para o bloqueio do plexo braquial infraclavicular bem-sucedido. Anesth Analg 2006;103:1048–1049.
  • Tran DQ, Clemente A, Tran DQ, Finlayson RJ: Uma comparação entre o bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom usando o sinal de “dupla bolha” e o bloqueio axilar guiado por neuroestimulação. Anesth Analg 2008;107:1075–1078.
  • Tran DQ, Dugani S, Dyachenko A, Correa JA, Finlayson RJ: Volume mínimo efetivo de lidocaína para bloqueio infraclavicular guiado por ultrassom. Reg Anesth Pain Med 2011;36:190–194.
  • Tran DQ, Russo G, Muñoz L, Zaouter C, Finlayson RJ: Uma comparação prospectiva e randomizada entre bloqueios do plexo braquial supraclavicular, infraclavicular e axilar guiados por ultrassom. Reg Anesth Pain Med 2009;34:366–371.
  • Yazer MS, Finlayson RJ, Tran DQ: Uma comparação randomizada entre bloqueio infraclavicular e bloqueio supraclavicular com injeção intracluster direcionada. Reg Anesth Pain Med 2015;40:11–15.

Leitura adicional: Bloqueio do Plexo Braquial Infraclavicular - Pontos de Referência e Técnica do Estimulador de Nervos