Bloqueio de Nervos do Plexo Braquial Interescalênico Guiado por Ultrassom - NYSORA | NYSORA

Bloqueio de Nervo do Plexo Braquial Interescalênico Guiado por Ultrassom

Philippe E. Gautier, Catherine Vandepitte, and Jeff Gadsden

FATOS

  • Indicações: Cirurgia do ombro e do braço, cirurgia da clavícula (combinada com bloqueio do nervo do plexo cervical)
  • Posição do transdutor: transversal no pescoço, 3 a 4 cm superior à clavícula, sobre a veia jugular externa
  • Objetivo: Anestésico local espalhado ao redor dos troncos superior e médio do plexo braquial, entre os músculos escalenos anterior e médio
  • Anestésico local: 7–15 mL

CONSIDERAÇÕES GERAIS

orientação dos EUA permite a visualização da dispersão do anestésico local e injeções adicionais ao redor do plexo braquial, se necessário, para garantir uma distribuição adequada do anestésico local, melhorando o sucesso do bloqueio nervoso. A capacidade de visualizar a dispersão do anestésico local e de injetar várias alíquotas também permite uma redução no volume de anestésico local necessário para realizar o bloqueio do nervo.

ANATOMIA DE ULTRASSOM

O plexo braquial no nível interescalênico é visto lateralmente à artéria carótida e à veia jugular interna, entre os músculos escalenos anterior e médio.Figuras 1 e 2).

FIGURA 1. Relações anatômicas do plexo braquial no nível interescalênico

FIGURA 2. Anatomia de corte transversal para bloqueio do nervo braquial interescalênico e posição do transdutor para obter as visualizações desejadas. O plexo (BP) é visto entre o músculo escaleno médio (MSM) lateralmente e o músculo escaleno anterior (ASM) medialmente. A imagem ultrassonográfica inclui uma visão parcial da borda lateral do músculo esternocleidomastóideo (ECM), da veia jugular interna (VJI), da artéria carótida (AC) e do processo transverso de C7 (TP-C7).

A fáscia pré-vertebral, o plexo cervical superficial e o músculo esternocleidomastóideo são vistos superficiais ao plexo. O transdutor é movido na direção proximal-distal até que dois ou mais elementos do plexo braquial sejam vistos no espaço entre os músculos escalenos. Dependendo da profundidade de campo selecionada e do nível em que a varredura é realizada, a primeira costela e/ou o ápice do pulmão podem ser vistos. O plexo braquial é normalmente visualizado a uma profundidade de 1 a 3 cm.

Do Compêndio de Anestesia Regional: Priming cognitivo para um bloqueio interescalênico do plexo braquial.

bloquear DISTRIBUIÇÃO

A abordagem interescalênica do bloqueio do plexo braquial resulta em anestesia confiável do ombro e do braço.Figura 3). Os ramos supraclaviculares do plexo cervical, que suprem a pele sobre o acrômio e a clavícula, também são bloqueados devido à disseminação proximal e superficial do anestésico local. O tronco inferior (C8-T1) geralmente é poupado, a menos que a injeção ocorra em um nível mais distal do plexo braquial.

FIGURA 3. Distribuição sensorial do bloqueio do nervo interescalênico do plexo braquial (em vermelho). A área de distribuição do nervo ulnar (C8-T1) também pode ser obtida com o uso de volume maior (por exemplo, 15-20 ml) e com o bloqueio do nervo interescalênico baixo onde a injeção ocorre entre o BSI e o bloqueio do nervo supraclavicular.

EQUIPAMENTO

O equipamento necessário para um bloqueio do nervo interescalênico do plexo braquial inclui o seguinte:

  • Máquina de ultrassom com transdutor linear (8–14 MHz), manga estéril e gel
  • Bandeja de bloqueio de nervo padrão
  • Uma seringa de 20 mL contendo o anestésico local
  • Uma agulha estimuladora isolada de 5 cm, calibre 22, bisel curto
  • Estimulador de nervos periféricos
  • Sistema de monitoramento de pressão de injeção de abertura
  • Luvas esterilizadas

Saiba mais sobre Equipamento para Blocos de Nervos Periféricos

MARCOS E POSICIONAMENTO DO PACIENTE

Qualquer posição que permita a colocação confortável do transdutor de ultrassom e o avanço da agulha é apropriada. O bloqueio do nervo é tipicamente realizado com o paciente em decúbito dorsal, cadeira de praia ou decúbito semilateral, com a cabeça do paciente voltada para o lado a ser bloqueado.Figura 4). A última posição pode ser mais ergonômica, especialmente durante uma abordagem no plano pela lateral, na qual a agulha penetra na pele na face póstero-lateral do pescoço. Uma leve elevação da cabeceira do leito costuma ser mais confortável para o paciente e permite uma melhor drenagem e menor proeminência das veias do pescoço. O paciente deve ser solicitado a alcançar o joelho ipsilateral para abaixar o ombro e fornecer mais espaço para a realização do bloqueio do nervo.

Conhecimento da base anatomia e a posição do plexo braquial é importante para facilitar o reconhecimento da anatomia ultrassonográfica. A varredura geralmente começa logo abaixo do nível da cartilagem cricóide e medial ao músculo esternocleidomastóideo com o objetivo de identificar a artéria carótida.

FIGURA 4. Bloqueio do nervo do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom: posição do transdutor e da agulha para obter a imagem de ultrassom desejada para uma abordagem no plano. O conhecimento dos pontos de referência externos facilita e diminui substancialmente o tempo para obter a visão necessária para a realização do bloqueio nervoso. O transdutor é posicionado atrás da cabeça clavicular do músculo esternocleidomastóideo (ECM) e sobre a veia jugular externa (não observada). O paciente está em uma posição semi-sentada. Inclinar o transdutor na direção caudal pode facilitar o reconhecimento do plexo braquial (seta).

META

O objetivo desse bloqueio nervoso é colocar a agulha no espaço tecidual entre os músculos escalenos anterior e médio e injetar anestésico local até que a disseminação ao redor do plexo braquial seja documentada por ultrassom. O volume do anestésico local e o número de inserções da agulha são determinados durante o procedimento e dependendo da adequação da dispersão observada do anestésico local.

Do Compendium of Regional Anesthesia: Reverse Ultrasound Anatomy para um bloqueio interescalênico do plexo braquial com inserção de agulha no plano e dispersão do anestésico local (azul). SCM, esternocleidomastóideo; ASM, músculo escaleno anterior; LCa, músculo longo da cabeça; VA, artéria vertebral; MSM, músculo escaleno médio; LTN, nervo torácico longo; DSN, nervo escapular dorsal; C7-TP, processo transverso de C7.

COMPÊNDIO DE ANESTESIA REGIONAL DA NYSORA

Conteúdo Premium da NYSORA

Instruções de técnicas passo a passo para 60 bloqueios nervosos

Ilustrações personalizadas, animações e vídeos clínicos

Comunidade para compartilhar dicas clínicas da vida real

Acesso via plataforma desktop ou aplicativo móvel

Infográficos para preparação para exames (por exemplo, EDRA)

TÉCNICA

Com o paciente na posição adequada, a pele é desinfetada e o transdutor é posicionado no plano transverso para identificar a artéria carótida (Figura 5-A). Uma vez identificada a artéria, o transdutor é movido ligeiramente lateralmente ao longo do pescoço. O objetivo é identificar os músculos escalenos anterior e médio e os elementos do plexo braquial que se localiza entre eles. Recomenda-se utilizar o Doppler colorido identificar estruturas vasculares e evitá-las. A agulha é então inserida no plano em direção ao plexo braquial, tipicamente na direção lateral-medial.Figura 6), embora uma orientação de agulha medial-lateral também possa ser usada se não houver espaço para a primeira. A agulha deve sempre ser apontada entre as raízes em vez de diretamente para elas, a fim de minimizar o risco de lesão nervosa acidental. À medida que a agulha passa pela fáscia pré-vertebral, um certo “estalo” é frequentemente percebido. Quando estimulação nervosa (0.5 mA, 0.1 ms), a entrada da agulha no sulco interescalênico é frequentemente associada a uma resposta motora do ombro, braço ou antebraço como outra confirmação da colocação adequada da agulha. Após a aspiração cuidadosa para descartar a colocação da agulha intravascular, 1–2 mL de anestésico local são injetados para verificar a colocação adequada da agulha.Figura 7-A). É necessário garantir que a alta resistência à injeção esteja ausente para diminuir o risco de injeção intrafascicular. A injeção de vários mililitros de anestésico local muitas vezes desloca o plexo braquial para longe da agulha. O avanço adicional da agulha de 1 a 2 mm em direção ao plexo braquial pode ser benéfico para garantir a distribuição adequada do anestésico local.Figura 7-B). Quando a injeção do anestésico local não parece resultar em uma disseminação ao redor do plexo braquial, o reposicionamento e injeções adicionais da agulha podem ser necessários.

FIGURA 5. (UMA)Imagem ultrassonográfica logo abaixo do nível da cartilagem cricóide e medial ao músculo esternocleidomastóideo (ECM). ASM, músculo escaleno anterior; CA, artéria carótida; VJI, veia jugular interna; ECM, músculo esternocleidomastóideo; Th, glândula tireóide. (B) Visão do plexo braquial (PB) na fossa supraclavicular. Quando a identificação do plexo braquial no nível interescalênico é difícil, o transdutor é posicionado na fossa supraclavicular para identificar a PA superficial e posterior à artéria subclávia (SA). O transdutor é então movido lentamente no sentido cefálico enquanto visualiza continuamente o plexo braquial até que o nível desejado seja alcançado.

DICAS NYSORA


• Quando a visualização do plexo braquial entre os músculos escalenos for difícil, pode-se utilizar a técnica de “traceback”. O transdutor é abaixado até a fossa supraclavicular. Nesta posição, o plexo braquial é identificado posterior e superficialmente à artéria subclávia.Figura 5-B). A partir daqui, o plexo braquial é traçado cranialmente até o nível desejado.

FIGURA 6. (UMA) Colocação do transdutor e inserção da agulha. (B) Posicionamento da agulha (1) para bloqueio do nervo interescalênico do plexo braquial com abordagem no plano. A ponta da agulha é vista em contato com os elementos do plexo braquial (setas amarelas); isso sempre resulta em alta pressão de injeção (> 15 psi) – indicando que a agulha deve ser retirada ligeiramente para longe do tronco.

FIGURA 7. (UMA) Um pequeno volume de anestésico local (área sombreada em azul) é injetado através da agulha para confirmar a colocação adequada da agulha. Uma ponta de agulha bem colocada resultará na distribuição do anestésico local entre e/ou ao longo das raízes do plexo braquial (PB). (B) Colocação de agulha real (ponta de seta branca) no sulco interescalênico, com dispersão do anestésico local (AL) (área em azul ou setas) ao redor do PB.

DICAS

• Não é necessário eliciar uma resposta motora para estimulação nervosa; no entanto, quando ocorre em intensidades < 0.5 mA, a agulha deve ser ligeiramente retirada antes da injeção, pois pode ser intraneural.
• O pescoço é uma área altamente vascularizada e deve-se ter cuidado para evitar a colocação de agulha ou injeção nas estruturas vasculares. De particular importância é evitar a artéria vertebral e ramos do tronco tireocervical: a artéria tireóidea inferior, a artéria supraescapular e a artéria cervical transversa. Usar Doppler colorido imagem pelo menos uma vez antes de inserir a agulha para localizar qualquer vaso que possa estar no caminho da agulha. Variações anatômicas são comuns.
• Nunca injete contra alta resistência, pois tal resistência pode indicar contato agulha-nervo ou injeção intrafascicular. Um alto pressão de injeção de abertura (> 15 psi) está sempre presente com contato agulha-raiz. Assim, uma injeção aparentemente extraneural pode, de fato, ser subepineural. Uma injeção intraneural pode se espalhar proximalmente no canal espinhal.
• Uma manobra útil para garantir a injeção no compartimento adequado, após a injeção de 5–7 mL, é traçar o plexo até a fossa supraclavicular (mantendo a agulha firme para evitar lesões). Se a injeção for realizada dentro da “bainha” do plexo braquial, a propagação correta pode ser vista muito claramente (ver Figura 8-A). A sonda pode então ser movida para trás até que a agulha seja visualizada para completar a injeção. Se o plexo braquial parece inalterado na área supraclavicular, deve-se questionar se a injeção foi feita fora do compartimento correto (ver Figura 8-B).
• A inserção lateral-medial é frequentemente escolhida para evitar lesão do nervo frênico, que geralmente está localizado anteriormente ao escaleno anterior, embora deva-se estar ciente de que o nervo escapular dorsal e o nervo torácico longo geralmente passam pelo escaleno médio e poderia potencialmente ser ferido também (Figura 9).
• É comum que C6 e C7 se dividam proximalmente. É prudente evitar a injeção entre os nervos provenientes de uma única raiz, pois isso pode resultar em uma injeção intraneural. Em vez disso, é mais seguro injetar entre C5 e C6, superficial a C5 ou profundamente a C6 (Figura 10).
• Outra variação anatômica relativamente comum envolve a raiz C5 viajando através do escaleno anterior em parte de seu curso (Figura 11). Para bloquear o nervo dessa variante anatômica, a raiz deve ser traçada distalmente até entrar no sulco interescalênico.
• É melhor evitar múltiplas injeções, pois geralmente não são necessárias para bloquear com sucesso o nervo do plexo braquial e podem acarretar maior risco de lesão do nervo.
• Em um paciente adulto, 7–15 mL de anestésico local geralmente são adequados para um início rápido e bem-sucedido do bloqueio. Volumes menores de anestésico local também podem ser eficazes;12,13 no entanto, a taxa de sucesso de volumes menores na prática clínica diária pode ser inferior às relatadas em ensaios clínicos meticulosamente conduzidos.

FIGURA 8. Difusão de solução anestésica local para a região supraclavicular durante a realização do bloqueio do nervo interescalênico. (UMA) Antes da injeção. (B) Após injeção de 10 mL no nível interescalênico. Os nervos laterais à artéria subclávia são circundados por anestésico local e parecem mais profundos. Isso confirma que a injeção foi realizada no espaço correto.

FIGURA 9. Nervo escapular dorsal (DSN) e nervo torácico longo (LTN) visíveis no músculo escaleno médio (MS).

 

Bloqueio do NERVO FRÊNICO

O bloqueio do nervo frênico é comum após BIS e pode comprometer a função respiratória em pacientes com patologia pulmonar pré-existente. Quatro estratégias principais14 podem ser usadas nesses pacientes para fornecer analgesia após a cirurgia do ombro, evitando o bloqueio do frênico: (1) diminuir o volume do anestésico local; (2) realizar o ISB mais caudalmente no pescoço, em torno de C7; (3) usando um bloqueio do nervo supraclavicular; e (4) usando um bloqueio do nervo supraescapular (possivelmente em associação com um bloqueio do nervo axilar). O nervo frênico situa-se superficialmente ao sulco interescalênico ao nível da cartilagem cricóide e segue caudalmente e anterior e distalmente ao longo do aspecto superficial do músculo escaleno anterior ao longo do pescoço. O uso de um baixo volume de anestésico local (por exemplo, 5 mL) reduz a incidência de bloqueio do nervo frênico, mas também pode reduzir a duração da analgesia e possivelmente diminuir a taxa de sucesso. Volumes maiores (10 mL) injetados no nível da cricóide causariam bloqueio do nervo frênico.

FIGURA 10. Dividir as raízes C6 e C7 no sulco interescalênico.

 

FIGURA 11. Variação anatômica mostrando a raiz C5 localizada no músculo escaleno anterior. Para bloquear o nervo dessa variante anatômica, a raiz deve ser traçada distalmente até entrar no sulco interescalênico.

A função do nervo frênico pode ser avaliada por ultrassonografia em Modo M durante o qual uma sonda curvilínea de baixa frequência é posicionada sob a caixa torácica na linha axilar anterior para avaliar o movimento do hemidiafragma.Figura 12). Vale ressaltar que alguns autores recomendaram o uso de uma combinação de bloqueio do nervo supraescapular e do nervo axilar para fornecer analgesia pós-operatória com bloqueio motor mínimo distal ao ombro com menor risco de bloqueio do nervo frênico e outras complicações do bloqueio do nervo interescalênico. Os nervos alvo são pequenos e podem ser difíceis de encontrar em pacientes obesos. Além disso, esses bloqueios nervosos não fornecerão anestesia cirúrgica. Outra questão que deve ser considerada é a paralisia persistente do nervo frênico. Há pouco consenso sobre o que causa a paralisia persistente do nervo frênico, mas parece estar pelo menos em parte relacionada à inflamação e ao aprisionamento do nervo, e não ao trauma direto da agulha. Uma contribuição da doença da coluna cervical tem sido sugerida. Outros fatores podem estar envolvidos, pois a maioria dos pacientes nas séries publicadas era do sexo masculino, com sobrepeso ou obesidade e de meia-idade.

FIGURA 12. Imagem do hemidiafragma direito sob a caixa torácica na linha anterior. (UMA) Antes do bloqueio do nervo interescalênico. (B) Após bloqueio do nervo interescalênico com bloqueio do nervo frênico.

BLOCO NERVOSO INTERESCALENO GUIADO POR ULTRASSOM CONTÍNUO

O objetivo do bloqueio contínuo do nervo interescalênico é colocar o cateter nas proximidades dos elementos do plexo braquial entre os músculos escalenos. O procedimento consiste em: (1) colocação da agulha; (2) injeção de AL para garantir a posição correta da ponta da agulha e “abrir o espaço” para o avanço do cateter; (3) o avanço do cateter; (4) Injeção através do cateter durante o monitoramento no US para verificar sua posição terapêutica e (5) fixação do cateter. Para as duas primeiras fases do procedimento, o ultrassom pode ser usado para garantir a precisão. A agulha é tipicamente inserida no plano da direção lateral-medial e abaixo da fáscia pré-vertebral para entrar no espaço interescalênico.Figura 13), embora outras orientações de agulha, como fora do plano ou apontar caudal, também possam ser usadas. A colocação adequada da agulha também pode ser confirmada pela obtenção de uma resposta motora do músculo deltoide, braço ou antebraço (0.5 mA, 0.1 ms), ponto em que 4-5 mL de anestésico local podem ser injetados. Essa pequena dose de anestésico local serve para garantir a distribuição adequada do anestésico local, bem como para tornar o avanço do cateter mais confortável ao paciente. Esta primeira fase do procedimento não difere significativamente da técnica de injeção única.

FIGURA 13. Imagem do hemidiafragma direito sob a caixa torácica na linha anterior. (UMA) Antes do bloqueio do nervo interescalênico. (B) Após bloqueio do nervo interescalênico com bloqueio do nervo frênico.

A segunda fase do procedimento envolve a manutenção da agulha na posição adequada e a inserção do cateter de 2 a 3 cm no espaço interescalênico nas proximidades do plexo braquial.Figura 14). A inserção do cateter pode ser realizada por um único operador ou com um assistente. A localização adequada do cateter pode ser confirmada visualizando o curso do cateter ou por uma injeção de anestésico local através do cateter. Quando isso for difícil, uma alternativa é injetar uma pequena quantidade de ar (1 mL) para confirmar a localização da ponta do cateter. O cateter é fixado por fita adesiva na pele com ou sem tunelamento. Alguns médicos preferem um ao outro. No entanto, a decisão sobre qual método usar pode ser baseada na idade do paciente, duração da terapia com cateter e/ou anatomia. A tunelização pode ser preferida em pacientes idosos com obesidade ou flacidez da pele no pescoço ou quando se espera uma duração mais longa da infusão do cateter. Duas principais desvantagens do tunelamento são o risco de deslocamento do cateter durante o tunelamento e o potencial de formação de cicatriz. Vários dispositivos de fixação do cateter estão disponíveis para ajudar a estabilizar o cateter. Para informações adicionais consulte Bloqueios Contínuos de Nervos Periféricos: Soluções Anestésicas Locais e Estratégias de Infusão.

FIGURA 14. Uma imagem de ultra-som demonstrando agulha e cateter (ponta de seta branca) inserido no espaço interescalênico entre os músculos escalenos anterior (ASM) e médio (MSM). PB, plexo braquial.

DICAS

• Podem ser usados ​​cateteres estimulantes e não estimulantes. Como a resposta motora na estimulação do cateter pode estar ausente mesmo com a colocação ideal do cateter, o uso de cateteres estimulantes pode levar à manipulação desnecessária da agulha e do cateter para obter respostas motoras evocadas.
• A técnica de cateter-sobre-agulha foi recentemente reintroduzida como alternativa à realização do bloqueio interescalênico contínuo.

Para saber mais sobre o bloqueio do nervo interescalênico, consulte Bloqueio Interescalênico do Plexo Braquial – Pontos de Referência e Técnica do Estimulador de Nervos.

Vídeo suplementar relacionado a este bloqueio nervoso pode ser encontrado em Bloqueio do nervo do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom e vídeo de anatomia reversa.

Este texto foi uma amostra do conteúdo do Compêndio de Anestesia Regional no NYSORA LMS.

NYSORA Compêndio de Anestesia Regional é simplesmente o currículo mais abrangente e prático em Anestesia Regional de A a Z, apresentando o conteúdo Premium do NYSORA. Ao contrário de livros didáticos e e-books, o Compêndio é continuamente atualizado e apresenta os mais novos vídeos, animações e conteúdo visual do NYSORA.

O Compêndio é um dos vários cursos educacionais padrão ouro no Sistema de Aprendizagem da NYSORA (o NYSORA LMS), e o registro para NYSORALMS. com é grátis. O acesso COMPLETO ao Compêndio, no entanto, é baseado em uma assinatura anual, pois requer um exército de ilustradores, editores de vídeo e uma equipe educacional para continuar tornando-o a MELHOR ferramenta de educação sobre anestesia regional. Embora você possa pensar no compêndio como um ebook sobre esteróides, um teste rápido lhe dará uma sensação em tempo real de quão incrível o compêndio realmente é. Sua assinatura transformará a maneira como você lê sobre anestesia regional:

  • Aprenda visualmente: tudo regional, incluindo procedimentos de bloqueio espinhal, epidural e nervoso e protocolos de gerenciamento
  • Revise as instruções de técnicas passo a passo para mais de 60 bloqueios nervosos
  • Acesse as ilustrações, animações e vídeos lendários do NYSORA (como Reverse Ultrasound Anatomy)
  • Acesse informações de RA em qualquer dispositivo por meio da plataforma de desktop e aplicativo móvel
  • Receba atualizações em tempo real
  • Revise infográficos para preparação para exames (por exemplo, EDRA)
  • Use o feed da comunidade com discussões de casos reais, imagens e vídeos postados e discutidos por assinantes e pelos maiores especialistas do mundo.

Mesmo que não queira subscrever o Compêndio, registe-se no NYSORA LMS, seja o primeiro a saber o que há de novo em anestesia regional e participe de discussões de casos.

Aqui está o que a atividade se alimenta NYSORA LMS parece:

Estamos convencidos de que, uma vez que você experimente o Compêndio no NYSORA LMS, e você nunca mais voltará aos seus livros antigos, e sua assinatura oferecerá suporte para manter o NYSORA.com gratuito para o resto do mundo.

Leitura adicional

  • Gautier P, Vandepitte C, Ramquet C, DeCoopman M, Xu D, Hadzic A: O volume anestésico mínimo efetivo de ropivacaína a 0.75% no bloqueio do nervo do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom. Anesth Analg 2011;113:951–955.
  • Vandepitte C, Gautier P, Xu D, Salviz EA, Hadzic A: Volume efetivo de
    ropivacaína 0.75% por meio de cateter necessário para bloqueio do plexo braquial interescalênico. Anestesiologia 2013;118:863–867.
  • Tsui BC, Lou L: Aprendendo a abordagem “traceback” para bloqueio do nervo interescalênico. Anestesia 2014;69:83–85.
  • Muhly WT, Orebaugh SL: Sonoanatomia da vasculatura nas regiões supraclavicular e interescalênica relevantes para o bloqueio do nervo do plexo braquial. Acta Anesthesiol Scand 2011;55:1247–1253.
  • Moayeri N, Bigeleisen PE, Groen GJ: Arquitetura quantitativa do plexo braquial e compartimentos circundantes e seu possível significado para bloqueios nervosos do plexo. Anestesiologia 2008;108:299–304.
  • Orebaugh SL, McFadden K, Skorupan H, Bigeleisen PE: Injeção subepineural na colocação da ponta da agulha interescalênica guiada por ultrassom. Reg Anesth Pain Med 2010;35:450–454.
  • Orebaugh SL, Mukalel JJ, Krediet AC, et al: Injeção da raiz do plexo braquial em modelo de cadáver humano: distribuição do injetado e efeitos no neuroeixo. Reg Anesth Pain Med 2012;37:525–529.
  • Hanson NA, Auyong DB: Identificação sistemática por ultrassom dos nervos escapular dorsal e torácico longo durante o bloqueio do nervo interescalênico. Reg Anesth Pain Med 2013;38:54–57.
  • Thomas SE, Winchester JB, Hickman G, DeBusk E: Um caso confirmado de lesão do nervo torácico longo após uma abordagem posterior de um bloqueio do nervo interescalênico. Reg Anesth Pain Med 2013;38:370.
  • Saporito A: Lesão do nervo escapular dorsal: uma complicação da ultrassonografia
    bloqueio do nervo interescalênico. Br J Anaesth 2013;111:840–841.
  • Gutton C, Choquet O, Antonini F, Grossi P: Bloc interscalénique échoguidé: variações anatômicas e implicação clínica [Bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom: influência das variações anatômicas na prática clínica]. Ann Fr Anesth Reanim 2010;29:770–775.
  • Gautier P, Vandepitte C, Ramquet C, DeCoopman M, Xu D, Hadzic A: O volume anestésico mínimo efetivo de ropivacaína a 0.75% no bloqueio do nervo do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom. Anesth Analg 2011;113:951–955.
  • Falcão LF, Perez MV, de Castro I, Yamashita AM, Tardelli MA, Amaral JL: Volume mínimo efetivo de bupivacaína a 0.5% com epinefrina no bloqueio do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom. Br J Anaesth 2013; 110:450–455.
  • Verelst P, van Zundert A: Impacto respiratório de estratégias analgésicas para cirurgia do ombro. Reg Anesth Pain Med 2013;38:50–53.
  • Koscielniak-Nielsen ZJ: Cateter supraclavicular pode ser uma alternativa ao cateter interescalênico em pacientes com risco de insuficiência respiratória após grandes
    cirurgia do ombro. Reg Anesth Pain Med 2013;38:251.
  • Kessler J, Schafhalter-Zoppoth I, Gray AT: Um estudo ultra-sonográfico do nervo frênico no triângulo cervical posterior: implicações para o bloqueio do nervo interescalênico do plexo braquial. Reg Anesth Pain Med 2008;33:545–550.
  • Lee JH, Cho SH, Kim SH, et al: Ropivacaína para bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom: 5 mL fornece analgesia semelhante, mas menos paralisia do nervo frênico do que 10 mL. Can J Anaesth 2011;58:1001–1006.
  • Smith HM, Duncan CM, Hebl JR: Utilidade clínica do bloqueio interescalênico guiado por ultrassom de baixo volume: contraindicações reconsideradas. J Ultrasound Med 2009;28:1251–1258.
  • Renes SH, van Geffen GJ, Rettig HC, Gielen MJ, Scheffer GJ: Volume mínimo efetivo de anestésico local para analgesia do ombro por bloqueio nervoso guiado por ultrassom na raiz C7 com avaliação da função pulmonar. Reg Anesth Pain Med 2010;35:529–534.
  • Fredrickson MJ, Abeysekera A, White R: Estudo randomizado do efeito do volume e concentração do anestésico local na duração do bloqueio do nervo periférico. Reg Anesth Pain Med 2012;37:495–501.
  • Sinha SK, Abrams JH, Barnett JT, et al: Diminuir o volume do anestésico local de 20 para 10 mL para bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom no nível cricóide não reduz a incidência de paresia hemidiafragmática. Reg Anesth Pain Med 2011;36:17–20.
  • Mantuani D, Nagdev A: Avaliação ultra-sonográfica de um hemidiafragma paralisado de bloqueio do nervo do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom. Am J Emerg Med 2012;30:2099.e5-7.
  • Lee SM, Park SE, Nam YS, et al: Eficácia analgésica do bloqueio nervoso na artroscopia do ombro: comparação entre bloqueios dos nervos interescalênico, supraescapular e axilar. Joelho Cirúrgico Esportivo Traumatol Artrosc 2012;20: 2573–2578.
  • Pitombo PF, Meira Barros R, Matos MA, Pinheiro Módolo NS: O bloqueio seletivo dos nervos supraescapular e axilar proporciona analgesia adequada e bloqueio motor mínimo. Comparação com bloqueio do nervo interescalênico. Braz J Anesthesiol 2013;63:45–51.
  • Lee JJ, Kim DY, Hwang JT, et al: Efeito do bloqueio do nervo axilar guiado por ultrassonografia combinado com bloqueio do nervo supraescapular no reparo artroscópico do manguito rotador: um estudo controlado randomizado. Artroscopia 2014;30:906–914.
  • Rothe C, Steen-Hansen C, Lund J, Jenstrup MT, Lange KH: Bloqueio do nervo supraescapular guiado por ultrassom - um estudo voluntário de uma nova abordagem proximal. Acta Anesthesiol Scand 2014;58:1228–1232.
  • Kim YA, Yoon KB, Kwon TD, Kim DH, Yoon DM: Avaliação de pontos anatômicos para bloqueio do nervo axilar no espaço quadrilátero. Acta Anesthesiol Scand 2014;58:567–571.
  • Kaufman MR, Elkwood AI, Rose MI, et al: Tratamento cirúrgico da paralisia permanente do diafragma após bloqueio do nervo interescalênico para cirurgia do ombro. Anestesiologia 2013;119:484–487.
  • Pakala SR, Beckman JD, Lyman S, Zayas VM: A doença da coluna cervical é um fator de risco para paresia persistente do nervo frênico após bloqueio do nervo interescalênico. Reg Anesth Pain Med 2013;38:239–242.
  • Bellew B, Harrop-Griffiths WA, Bedforth N: Bloqueios do nervo interescalênico do plexo braquial e paralisia do nervo frênico. Anestesiologia 2014;120:1056–1057.
  • Birnbaum J, Kip M, Spies CD, et al: O efeito de cateteres estimulantes versus não estimulantes para bloqueios nervosos contínuos do plexo interescalênico no tratamento da dor a curto prazo. J Clin Anesth 2007;19:434–439.
  • Ip V, Tsui B: A segurança de uma técnica de cateter sobre agulha interescalênico. Anestesia 2013;68:774–775.

Bloqueio de Nervo Interescalênico Guiado por Ultrassom de Injeção Única

  • Albrecht E, Kirkham KR, Taffé P, et al: A distância máxima eficaz agulha-nervo para bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom: um estudo exploratório. Reg Anesth Pain Med 2014;39:56–60.
  • Avellanet M, Sala-Blanch X, Rodrigo L, Gonzalez-Viejo MA: Plexopatia permanente do tronco superior após bloqueio do nervo interescalênico do plexo braquial. J Clin Monit Comput 2016;30:51–54.
  • Burckett-St Laurent D, Chan V, Chin KJ: Refinando o bloqueio do nervo do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom: a abordagem do tronco superior. Can J Anaesth 2014;61:1098–1102.
  • Errando CL, Muñoz-Devesa L, Soldado MA: Bloqueo interescalénico guiado por ecografía en un paciente con alterações anatômicas de la region supraclavicular secundarias a radio y cirugía [Bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom em um paciente com anormalidades anatômicas supraclaviculares devido a radioterapia e cirurgia ]. Rev Esp Anestesiol Reanim 2011;58:312–314.
  • Falcão LF, Perez MV, de Castro I, Yamashita AM, Tardelli MA, Amaral JL: Volume mínimo efetivo de bupivacaína a 0.5% com epinefrina no bloqueio do plexo braquial interescalênico guiado por ultrassom. Br J Anaesth 2013;110:450–455.
  • Fredrickson MJ, Kilfoyle DH: Análise de complicações neurológicas de 1000 bloqueios de nervos periféricos guiados por ultrassom para cirurgia ortopédica eletiva: um estudo prospectivo. Anestesia 2009;64:836–844.
  • Fritsch G, Hudelmaier M, Danninger T, Brummett C, Bock M, McCoy M: A perda bilateral da função neural após o bloqueio do plexo interescalênico pode ser causada pela disseminação epidural de anestésicos locais: um estudo cadavérico. Reg Anesth Pain Med 2013;38:64–68.
  • Gadsden J, Hadzic A, Gandhi K, et al: O efeito da mistura de 1.5% de mepivacaína e 0.5% de bupivacaína na duração da analgesia e latência do início do bloqueio nervoso no bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom. Anesth Analg 2011;112: 471–476.
  • Ihnatsenka B, Boezaart AP: Aplicada sonoanatomia do triângulo posterior do pescoço. Int J Shoulder Surg 2010;4:63–74.
  • Koff MD, Cohen JA, McIntyre JJ, Carr CF, Sites BD: Plexopatia braquial grave após um bloqueio do nervo com injeção única guiado por ultrassom para artroplastia total do ombro em um paciente com esclerose múltipla. Anestesiologia 2008;108:325–328.
  • Lang RS, Kentor ML, Vallejo M, Bigeleisen P, Wisniewski SR, Orebaugh SL: O impacto da distribuição do anestésico local no início do bloqueio do nervo no bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom. Acta Anesthesiol Scand 2012;56:1146–1151.
  • Liu SS, Gordon MA, Shaw PM, Wilfred S, Shetty T, Yadeau JT: Um registro clínico prospectivo de anestesia regional guiada por ultrassom para cirurgia ambulatorial do ombro. Anesth Analg 2010;111:617–623.
  • Liu SS, YaDeau JT, Shaw PM, Wilfred S, Shetty T, Gordon M: Incidência de injeção intraneural não intencional e complicações neurológicas pós-operatórias com bloqueios dos nervos interescalênico e supraclavicular guiados por ultrassom. Anestesia 2011;66:168–174.
  • Lu IC, Hsu HT, Soo LY, et al: Exame de ultra-som para a posição ideal da cabeça para bloqueio do nervo interescalênico do plexo braquial. Acta Anesthesiol Taiwan 2007;45:73–78.
  • Madison SJ, Humsi J, Loland VJ, et al: Bloqueio de nervo de raiz/tronco guiado por ultrassom (interescalênico) para anestesia de mão e antebraço. Reg Anesth Pain Med 2013;38:226–232.
  • Marhofer P, Harrop-Griffiths W, Willschke H, Kirchmair L: Quinze anos de orientação por ultrassom em anestesia regional: parte 2—desenvolvimentos recentes em técnicas de bloqueio de nervos. Br J Anaesth 2010;104:673–683.
  • McNaught A, McHardy P, Awad IT: Bloqueio do nervo interescalênico posterior: uma série de casos guiados por ultrassom e visão geral da história, anatomia e técnicas. Pain Res Manag 2010;15:219–223.
  • McNaught A, Shastri U, Carmichael N, et al: O ultrassom reduz o volume mínimo de anestésico local efetivo em comparação com a estimulação do nervo periférico para bloqueio do nervo interescalênico. Br J Anaesth 2011;106:124–30.
  • Natsis K, Totlis T, Didagelos M, Tsakotos G, Vlassis K, Skandalakis P: Músculo escaleno mínimo: superestimado ou não? Um estudo anatômico. Am Surg 2013;79:372–374.
  • Orebaugh SL, McFadden K, Skorupan H, Bigeleisen PE: Injeção subepineural na colocação da ponta da agulha interescalênica guiada por ultrassom. Reg Anesth Pain Med 2010;35:450–454.
  • Plante T, Rontes O, Bloc S, Delbos A: Propagação do anestésico local durante o bloqueio do nervo interescalênico guiado por ultrassom: o local da injeção influencia na difusão? Acta Anesthesiol Scand 2011;55:664–669.
  • Renes SH, van Geffen GJ, Rettig HC, Gielen MJ, Scheffer GJ: Volume mínimo efetivo de anestésico local para analgesia do ombro por bloqueio nervoso guiado por ultrassom na raiz C7 com avaliação da função pulmonar. Reg Anesth Pain Med 2010;35:529–534.
  • Roessel T, Wiessner D, Heller AR, Zimmermann T, Koch T, Litz RJ: Alta resolução Bloqueio do plexo interescalênico alto guiado por ultrassom para endarterectomia carotídea. Reg Anesth Pain Med 2007;32:247–253.
  • Soeding P, Eizenberg N: Artigo de revisão: considerações anatômicas para orientação por ultrassom para anestesia regional do pescoço e membro superior. Can J Anaesth 2009;56:518–533.
  • Spence BC, Beach ML, Gallagher JD, Sites BD: Bloqueios nervosos interescalênicos guiados por ultrassom: entendendo onde injetar o anestésico local. Anestesia 2011;66:509–514.

Bloqueio de Nervo Interescalênico Contínuo Guiado por Ultrassom

  • Antonakakis JG, Sites BD, Shiffrin J: Abordagem posterior guiada por ultrassom para a colocação de um cateter interescalênico contínuo. Reg Anesth Pain Med 2009;34:64–68.
    Fredrickson MJ, Ball CM, Dalgleish AJ: Eficácia analgésica de um bloqueio do nervo interescalênico com injeção única e contínua para cirurgia artroscópica menor do ombro. Reg Anesth Pain Med 2010;35:28–33.
  • Fredrickson MJ, Price DJ: Eficácia analgésica da ropivacaína 0.2% vs 0.4% através de um cateter ambulatorial perineural de raiz/tronco superior C5-6 guiado por ultrassom. Br J Anaesth 2009;103:434–439.
  • Fredrickson MJ, Ball CM, Dalgleish AJ: Posicionamento de cateter interescalênico abordagem posterior versus anterolateral: um estudo prospectivo randomizado. Reg Anesth Pain Med 2011;36:125–133.
  • Fredrickson MJ, Ball CM, Dalgleish AJ, Stewart AW, Short TG: Uma comparação prospectiva randomizada de ultrassom e neuroestimulação como pontos finais de agulha para colocação de cateter interescalênico. Anesth Analg 2009;108:1695–1700.
  • Mariano ER, Afra R, Loland VJ, et al: Bloqueio contínuo do nervo interescalênico do plexo braquial através de uma abordagem posterior guiada por ultrassom: um estudo randomizado, triplo-mascarado, controlado por placebo. Anesth Analg 2009;108:1688–1694.
  • Mariano ER, Loland VJ, Ilfeld BM: Colocação de cateter perineural interescalênico usando uma abordagem posterior guiada por ultrassom. Reg Anesth Pain Med 2009;34:60–63.
  • Shin HJ, Ahn JH, Jung HI, et al: Viabilidade de abordagem posterior guiada por ultrassom para colocação de cateter interescalênico durante cirurgia artroscópica do ombro. Coreano J Anesthesiol 2011;61:475–481.