Aplicativo de dor dos EUA - NYSORA

Explore a base de conhecimento NYSORA gratuitamente:

O aplicativo mais prático em blocos de dor crônica guiados por ultrassom

O aplicativo NYSORA Ultrasound-Guided Pain Blocks App descreve as técnicas mais práticas e aplicáveis ​​da medicina da dor guiada por ultrassom

Aprenda e revise intervenções para dor crônica guiadas por ultrassom, incluindo injeções nas articulações e procedimentos de estimulação.
O aplicativo US Pain é a maneira mais rápida de aprender ultrassom e bloqueios de dor!
Junte-se à comunidade de mais de 30,000 profissionais em todo o mundo e veja por que o US Pain APP da NYSORA é o primeiro e mais confiável guia sobre procedimentos de dor crônica guiados por ultrassom

Mais de 30 bloqueios de dor

Obtenha acesso ao guia mais completo sobre intervenções para dor crônica guiadas por US, incluindo: injeções na coluna, bloqueios abdominais e pélvicos, bloqueios de nervos periféricos, ultrassom diagnóstico e musculoesquelético, neurossonologia diagnóstica, injeções articulares, bloqueios de nervos, tratamento intervencionista para dor de cabeça, procedimentos de estimulação e mais…

Escolha entre mensal e anual

Inscreva-se e tenha acesso total! Com assinatura anual, os assinantes receberão um comprovante de pagamento para reembolso de educação. Você também economiza 15% se escolher a assinatura anual em vez da mensal!

Anualmente
Mensal

Aplicativo US Pain disponível em celulares e tablets

Junte-se à comunidade de mais de 30,000 profissionais em todo o mundo e veja por si mesmo porque o US-Guided Interventional Pain APP da NYSORA é o primeiro e mais confiável guia para ultra-som e bloqueios nervosos.

Extensa galeria de imagens

Notícias do aplicativo

Estudo de caso: Síndrome do impacto subacromial – Injeção

Paciente do sexo feminino, 45 anos, relatou dor crônica no ombro esquerdo com duração de três meses após uma lesão leve. A dor concentrava-se principalmente na parte superior do braço e na fossa supraespinhal, piorando notavelmente à noite. Além disso, dor incidental estava presente na abdução do ombro. Exame físico Arco doloroso presente Teste de Neer: Positivo Teste de Hawkins-Kennedy: Positivo Achados ultrassonográficos Tendão supraespinhal ao nível da faceta superior do tubérculo maior: Normal Visão do eixo longo do manguito rotador ao nível da faceta superior do maior tuberosidade. Tendão supraespinhal ao nível da faceta inferior da tuberosidade maior: Ruptura mínima da superfície bursal, rupturas intrasubstância Visão do eixo longo do manguito rotador ao nível da faceta inferior da tuberosidade maior. Visão do eixo curto do tendão supraespinhal: Normal Visão do eixo curto do manguito rotador. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com síndrome do impacto subacromial secundária à tendinopatia do manguito rotador. A síndrome do impacto subacromial resulta de compressão, irritação ou inflamação dos tendões do manguito rotador no espaço subacromial. Causa dor nos ombros, fraqueza e mobilidade limitada dos ombros, muitas vezes devido a fatores como atividades repetitivas acima da cabeça ou problemas estruturais. Este estreitamento do espaço subacromial comprime os tendões do manguito rotador e a bursa subacromial. Neste caso específico, o impacto foi atribuído à tendinopatia do manguito rotador. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.

Ver
29 de fevereiro de 2024

Estudo de caso: Artrite da articulação acromioclavicular – Injeção

Uma mulher trabalhadora manual de 65 anos apresenta história de dor no ombro esquerdo há 4 meses. Ela queixa-se de dor anteromedial no ombro exacerbada durante a rotação externa e dor superior no ombro, principalmente à noite. Exame físico Arco doloroso presente Articulação acromioclavicular sensível Teste de Scarf: Positivo Teste de O'Brien: Positivo Ultrassom de imagem Estreitamento do espaço articular acromioclavicular (CA) Distensão capsular Osteófito Visão transversal do espaço articular AC mostrando estreitamento do espaço, distensão capsular e um osteófito. Radiografia Artropatia do manguito rotador Artrite da articulação AC Imagem radiográfica do ombro esquerdo. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com artrite da articulação AC. Esta condição é causada pela deterioração da cartilagem da articulação AC devido ao estresse frequente na articulação, comumente observado na população de meia-idade. Os pacientes geralmente sentem dor e sensibilidade na parte superior do ombro, ao longo da articulação. Descubra mais sobre a estratégia de tratamento, os resultados dos pacientes e outros estudos de caso exclusivos no US Pain App. Pronto para expandir seu conhecimento? Clique AQUI e obtenha o aplicativo definitivo para procedimentos de dor crônica.

Ver
1 de fevereiro de 2024

Estudo de caso: Estenose do canal lombar – Injeção

Uma mulher de 63 anos apresenta dor lombar crônica, com duração de 2 anos. Ela não tem nenhum outro problema de saúde e não sofreu nenhum ferimento. A paciente apresenta dores contínuas no membro inferior direito, que pioram ao caminhar. Nem os AINEs nem a gabapentina foram eficazes no alívio desta dor. Exame físico Dor lombar paramediana Incapaz de andar reto devido a espasmo muscular paraespinhal Teste de elevação da perna reta: Negativo Teste FABER: Negativo Teste de alongamento femoral: Negativo Imagem Ultrassonográfica não tem valor diagnóstico para dor lombar. Radiografia da coluna lombossacral Alterações espondilóticas das vértebras lombares inferiores Artropatia da articulação sacroilíaca direita Imagem radiográfica da coluna lombossacral. Ressonância magnética Abaulamento dos discos L1-L5, causando estenose do canal A ressonância magnética da coluna lombar revelou colapso do disco em vários níveis. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com estenose do canal lombar, condição conhecida por causar dores nas pernas e nas costas. É caracterizada por um estreitamento no canal central da vértebra, no recesso lateral ou no forame neural. Descubra mais sobre a estratégia de tratamento, os resultados dos pacientes e outros estudos de caso exclusivos no US Pain App. Pronto para expandir seu conhecimento? Clique AQUI e obtenha o aplicativo definitivo para procedimentos de dor crônica.

Ver
18 de janeiro de 2024

Estudo de caso: Cotovelo de golfista – Injeção

Uma mulher de 33 anos vem sentindo dor no cotovelo medial direito há um ano, que começou após uma lesão leve. Apesar de ter passado por tratamento conservador, incluindo fisioterapia e AINEs, seu quadro não melhorou. Ela continua a sentir dores debilitantes. Exame físico Sem vermelhidão ou edema Sensibilidade no epicôndilo medial Teste de Polk: Positivo Achados ultrassonográficos Rupturas mínimas no tendão flexor comum no ponto de inserção no epicôndilo medial. Visão do eixo longo do tendão flexor comum e epicôndilo medial. Observe os rasgos no ponto de inserção. Pequeno derrame no recesso articular anterior do cotovelo. Vista em eixo longo da parte posterior do cotovelo revelando um pequeno derrame no recesso articular anterior. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com epicondilite medial, também conhecida como cotovelo de golfista, que se caracteriza por tendinose crônica dos flexores e pronadores do punho que se ancoram no epicôndilo medial. A condição comumente se desenvolve devido a movimentos repetitivos envolvendo pronação do antebraço ou flexão do punho. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.

Ver
4 de janeiro de 2024

Estudo de caso: Síndrome do túnel cubital – Injeção

Um cirurgião ortopédico de 65 anos apresenta dor ao longo da face ulnar do antebraço e da mão direita, com duração de um ano. O paciente não relata fraqueza nessas áreas e não apresenta comorbidades. Anteriormente, ele foi submetido a uma hidrodissecção do nervo ulnar, procedimento para aliviar a pressão ao redor do nervo, que reduziu a dor em 80%. No entanto, devido à dor ocasional persistente ao longo da borda ulnar do antebraço, ele se apresentou para tratamento adicional. Exame físico A dor não estava associada a nenhuma atividade e não havia fatores de alívio Nenhuma vermelhidão ou atrofia do antebraço Nenhuma perda hipotenar Nenhuma evidência de mão em garra ulnar Sinal de Tinel: Positivo Sensação: Toque leve e discriminação de 2 pontos eram normais Sinal de Froment: Negativo Achados ultrassonográficos A ressonância magnética revelou uma compressão do nervo ulnar ao nível do epicôndilo medial. O valor de referência para um nervo inchado é ≥ 10 mm2, de acordo com a meta-análise de Chang et al. (2018). Vista transversal do cotovelo em posição neutra ao nível do epicôndilo edial. Aqui, o nervo ulnar media 5.9 x 1.6 mm. LCU, ligamento colateral ulnar. m Vista transversal do cotovelo em posição flexionada ao nível do epicôndilo medial. Aqui, o nervo ulnar media 3.1 x 6.8 mm. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com síndrome do túnel cubital, causada pela compressão do nervo ulnar no cotovelo. A compressão do nervo ulnar causa dormência e dor no antebraço e em dedos específicos. É a segunda neuropatia mais comum do braço depois da síndrome do túnel do carpo. Descubra mais sobre a estratégia de tratamento, os resultados dos pacientes e outros estudos de caso exclusivos no US Pain App. Pronto para expandir seu conhecimento? Clique AQUI e obtenha o aplicativo definitivo para procedimentos de dor crônica.

Ver
21 de dezembro de 2023

Estudo de caso: Neuralgia Ilioinguinal – Injeção

Um homem diabético de 65 anos apresenta inguinodínia no lado direito com duração de 4 meses após correção de hérnia inguinal. Queixa-se de dores contínuas e arrastadas com episódios de dores agudas ao longo da região inguinal, perturbando seu sono. Não há fatores agravantes ou atenuantes. Exame físico Sem vermelhidão, inchaço ou calor na região inguinal Cicatriz cirúrgica saudável Articulação sacroilíaca e quadril normal Teste de elevação da perna reta: Até 80 graus no lado direito, sem sinal de patologia relacionada ao disco Teste FABER: Negativo Achados ultrassonográficos A integridade do nervo ilioinguinal foi examinado por ultrassonografia. Ao examinar os flancos, o nervo ilioinguinal está localizado entre os músculos oblíquo interno e transverso do abdome. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com neuralgia ilioinguinal. A neuralgia ilioinguinal geralmente causa dor na parte inferior do abdômen e na parte superior da coxa, geralmente resultante de aprisionamento ou lesão do nervo após cirurgias na região abdominal inferior. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.

Ver
7 de dezembro de 2023

Estudo de caso: Dor lombar mecânica – Injeção

Um trabalhador manual de 45 anos apresentou dor lombar crônica há 6 meses. Ele não tem comorbidades e o manejo conservador com AINEs proporciona alívio temporário. Relata dor ocasional na região posterior da coxa do lado direito, sem dormência ou fraqueza. Exame físico Dor lombar paramediana Incapaz de andar reto devido a espasmo muscular paraespinhal Teste de elevação da perna reta: 70° de flexão foi possível bilateralmente Teste de alongamento femoral: negativo Teste FABER: negativo Patologia do quadril foi descartada clinicamente Achados de ressonância magnética Endireitamento da coluna lombar Inferior espondilose lombar Discos desidratados em L3-L4, L4-L5, L5-S1 Protuberância discal com estreitamento foraminal neural em L5-S1 Articulação sacroilíaca normal Nota: A ultrassonografia não tem valor diagnóstico neste caso. É usado para orientar intervenções específicas (por exemplo, injeção na articulação facetária lombar). Posição do transdutor e da agulha para injeção na articulação facetária lombar. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com dor lombar mecânica. A dor lombar é comumente inespecífica ou mecânica, originando-se da coluna, discos ou tecidos próximos. Sinais de alerta como perda motora/sensorial progressiva, problemas urinários, histórico de câncer, procedimentos espinhais recentes e trauma significativo requerem elevação ou exames de imagem adicionais. Os exames de imagem, reservados para casos suspeitos de síndrome da cauda equina, malignidade, fratura ou infecção, incluem radiografias lombares para fraturas e ressonância magnética para problemas neurológicos ou de tecidos moles. Descubra mais sobre a estratégia de tratamento, os resultados dos pacientes e outros estudos de caso exclusivos no US Pain App. Pronto para expandir seu conhecimento? Clique AQUI e obtenha o aplicativo definitivo para procedimentos de dor crônica.

Ver
10 de novembro de 2023

Estudo de caso: Osteoartrite do joelho – Injeção

Paciente do sexo feminino, 60 anos, queixa-se de dor persistente no joelho direito com duração superior a seis meses. Ela sente dor significativa nas faces anterior e medial do joelho, que piora quando ela fica de pé ou agachada. Tomar AINEs ofereceu algum alívio. Ela não tem história prévia de trauma e seu IMC é 30. Exame físico Sem inchaço, calor ou vermelhidão no joelho Crepitação na flexão e extensão do joelho Sem deformidades Desperdício mínimo do quadríceps Marcha normal Achados ultrassonográficos Tendão do quadríceps: normal, pequeno derrame no recesso suprapatelar Visão do eixo longo do tendão do quadríceps, que parece normal. Um pequeno derrame é visto no recesso suprapatelar. Menisco medial: Extrusão Visão do eixo longo do menisco medial mostrando uma extrusão. Tendão patelar: Normal Visão do eixo longo do tendão patelar, que parece normal. Banda iliotibial: Pequeno cisto meniscal lateral normal, provavelmente não causando dor. Visão do eixo longo da banda iliotibial, que parece normal. Um pequeno cisto meniscal lateral pode ser visto. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com osteoartrite de joelho grau 3. A osteoartrite do joelho, uma condição comumente observada em idosos, é categorizada em primária (degeneração idiopática) e secundária (devido a fatores como trauma, obesidade ou artrite reumatóide). Os sintomas típicos incluem piora gradual da dor no joelho, rigidez, inchaço e uma sensação de crepitação conhecida como crepitação. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.

Ver
2 de novembro de 2023

Estudo de caso: Radiculopatia cervical – Injeção

Uma mulher de 50 anos apresentou dor radicular no membro superior direito que persiste há 3 semanas e se torna especialmente intensa à noite. Ela não teve nenhum incidente recente de febre ou lesão. No entanto, ela levantou um peso substancial recentemente. Não houve episódios anteriores de dor semelhante. Os AINEs e a gabapentina têm sido ineficazes no alívio do desconforto. Exame físico A dor iniciou no pescoço do paciente com forte dor ao redor do ombro, que se irradiava por todo o braço Sem fatores agravantes ou de alívio Sem edema nos membros ou perda de pequenos músculos da mão O ombro parecia normal durante o exame clínico Teste de compressão de Jackson: Positivo Teste de Spurling: Radiografia de imagem positiva: espondilose cervical precoce, indicada por osteófitos, degeneração facetária e estreitamento foraminal. A radiografia da coluna cervical revelou espondilose cervical precoce, indicada por osteófitos, degeneração facetária e estreitamento foraminal. RM: Uma protuberância do disco paramediano foi identificada em C5-C6, colidindo com o saco tecal anterior. Outra protuberância do disco paramediano foi observada em C4-C5, mas provavelmente não é a principal causa de sintomas significativos. A ressonância magnética revelou protuberâncias do disco paramediano nos níveis C4-5 e C5-6. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com radiculopatia C5 no lado direito. A radiculopatia cervical ocorre quando a compressão do nervo surge devido a hérnia de disco ou esporão ósseo artrítico. Sintomas como dor irradiada periférica, fraqueza muscular ou sensação de formigamento geralmente podem estar associados à raiz nervosa específica impactada. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.    

Ver
19 de outubro de 2023

Estudo de caso: Tendinite calcária – Barbotage

Um homem de 60 anos chegou com dor aguda no ombro, especialmente intensa à noite na semana passada. Apesar de tomar AINEs, ele não sentiu nenhum alívio. Ele tem diabetes, que está bem controlado, e não há registro prévio de lesões no ombro ou qualquer outro trauma. Exame físico A dor apresentada na fossa supraespinhosa e no músculo deltóide O movimento foi severamente limitado devido à dor Arco doloroso presente Teste de Neer: Positivo Ombro ântero-medial doloroso em rotação interna Achados ultrassonográficos Calcificação de aparência ligeiramente sólida do tendão subescapular Vista axial do ombro mostrando uma tendão calcificado do subescapular. Corte axial do ombro em rotação externa mostrando calcificação levemente sólida do tendão subescapular na inserção no tubérculo menor. Antes de planejar uma intervenção, como uma barbotagem, é necessária uma imagem ântero-posterior completa para avaliar a viabilidade de uma barbotagem. Uma calcificação dura lançará uma sombra acústica e pode não ser adequada para barbotagem. Imagem anteroposterior de tendão subescapular calcificado revelando sombra acústica, indicando calcificação dura. Uma calcificação de 1 cm de tamanho, de aparência ligeiramente sólida e sem sombra acústica é elegível para barbotagem. Imagem anteroposterior de um tendão subescapular calcificado revelando uma calcificação de aparência ligeiramente sólida. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com tendinite calcária do tendão subescapular. A tendinite calcária do ombro resulta da deposição de cristais de fosfato de cálcio nos tendões do manguito rotador. Os sintomas incluem início súbito de dor no ombro, dor exacerbada ao mover o ombro, desconforto noturno e restrição da mobilidade do ombro. Descubra mais sobre a estratégia de tratamento, os resultados dos pacientes e outros estudos de caso exclusivos no US Pain App. Pronto para expandir seu conhecimento? Clique AQUI e obtenha o aplicativo definitivo para procedimentos de dor crônica.

Ver
5 de outubro de 2023

Estudo de caso: Cisto de Baker – Injeção

Um homem de 64 anos apresentou dor persistente no joelho direito que o incomodava há 6 meses. Descreveu desconforto crescente nas regiões anteromedial e posterior do joelho, principalmente na posição ortostática. Seus principais sintomas incluíam rigidez matinal e uma diminuição notável na amplitude de movimento do joelho. Notavelmente, não houve casos anteriores de traumas ou intervenções relacionadas ao joelho. A dor tendia a diminuir com o repouso, mas ele encontrou apenas um alívio mínimo com os AINEs. Exame físico Inchaço anterior e posterior do joelho Sem vermelhidão Desperdício visível do quadríceps Crepitação palpável na flexão e extensão do joelho Achados ultrassonográficos Efusão do recesso suprapatelar: Sugestivo de derrame articular com mínimo espessamento sinovial Vista axial do recesso suprapatelar mostrando derrame. Efusão abaixo da inserção tibial do tendão patelar: sugestivo de bursite infrapatelar profunda. Visão do eixo longo do tendão patelar mostrando derrame abaixo de sua inserção tibial. Vista do eixo curto do tendão patelar mostrando derrame abaixo de sua inserção tibial. Aparência cística septada na parte posterior do joelho: cisto de Baker Vista axial da parte posterior do joelho mostrando um cisto de Baker septado. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com cisto de Baker secundário à osteoartrite do joelho. Os cistos de Baker, também conhecidos como cistos poplíteos, são inchaços cheios de líquido que se desenvolvem na parte posterior do joelho, frequentemente causando rigidez e desconforto. Esses cistos geralmente ocorrem como uma condição secundária a problemas subjacentes no joelho (ou seja, osteoartrite ou ruptura do menisco), fazendo com que a articulação gere líquido sinovial excessivo. Os sintomas comuns incluem a presença de um caroço, dor no joelho e rigidez. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.

Ver
21 de Setembro de 2023

Estudo de caso: Meralgia parestésica – Injeção

Uma mulher de 65 anos, dona de casa, vem sentindo dor persistente e dormência na coxa direita há 5 anos. Uma recente cirurgia de disco L4-L5 não proporcionou alívio e, notavelmente, o paciente não se lembra de nenhum trauma anterior. Exame físico A dor apresentava-se na face anterolateral da coxa, não se estendendo abaixo do joelho. Achados ultrassonográficos Considerando os sintomas do paciente e as avaliações prévias, havia suspeita de encarceramento do nervo cutâneo femoral lateral (NCF), comumente denominado meralgia parestésica. O exame ultrassonográfico revelou um LFCN inchado, principalmente no ramo anterior. Vista transversal da parte anterior da coxa mostrando nervo cutâneo femoral lateral (LFCN) levemente inchado, especialmente o ramo anterior. Diagnóstico O paciente foi diagnosticado com meralgia parestésica, que se manifesta como formigamento, dormência ou sensação de queimação na região lateral da coxa. Estes sintomas normalmente resultam da compressão do LFCN. Embora a maioria dos indivíduos experimente unilateralmente, há casos de sintomas bilaterais. Leia mais sobre o tratamento, resultados do paciente e outros estudos de caso no aplicativo US Pain. Pronto para elevar seu conhecimento? Toque AQUI para baixar o aplicativo para procedimentos de dor crônica.

Ver
7 de Setembro de 2023
Disponível em celulares e tablets

30,000+ Transferências

Apresentando técnicas de bloqueio de dor guiadas pelos EUA testadas e comprovadas usadas por profissionais em todo o mundo

Baseado na maior autoridade mundial em ultrassom, o livro do Dr. Samer Narouze “Atlas de procedimentos guiados por ultrassom no tratamento intervencionista da dor” O US Pain App da NYSORA descreve as técnicas mais práticas e aplicáveis ​​​​de medicina da dor guiada por ultrassom.

Baixe o US Pain App da NYSORA hoje e Comece com um teste gratuito de 7 dias

1. Bloqueio do Terceiro Nervo Occipital e Ramo Cervical Medial
2. Injeção intra-articular cervical zigapofisária (faceta)
3. Bloqueio da Raiz do Nervo Cervical
4. Bloqueio Paravertebral Torácico
5. Bloqueio do nervo da faceta lombar e injeção intra-articular
6. Injeções na Raiz do Nervo Lombar (Perirradiculares)
7. Blocos Neuraxiais Centrais
8. Injeções Epidurais Caudais
9. Injeção na Articulação Sacroilíaca
10. Bloqueio do Plano Transverso Abdominal (TAP)
11. Bloqueio do Plexo Celíaco e Neurólise
12. Bloqueio dos nervos ílioinguinal, ílio-hipogástrico e genitofemoral
13. Injeção do Músculo Piriforme
14. Bloqueio do nervo pudendo
15. Injeção de Gânglio Impar
16. Bloqueios Superficiais do Nervo Trigêmeo
17. Bloqueio do Nervo Occipital Maior
18. Bloqueio Simpático Cervical
19. Bloqueio do Nervo Cutâneo Femoral Lateral
20. Bloqueio do Nervo Supraescapular
21. Bloqueio do Nervo Intercostal
22. Injeções Subacromial/Subdeltoide Bursa
23. Injeções da Bainha do Tendão do Bíceps (Bíceps - Cabeça Longa)
24. Injeções na Articulação Acromioclavicular
25. Injeções na Articulação Glenoumeral
26. Injeções do tendão do subescapular/bursa do subescapular
27. Injeções na Articulação Esternoclavicular
28. Injeções no túnel do carpo
29. Injeções no dedo do gatilho
30. Injeções de pulso
31. Injeções para disfunção do tendão
32. Injeções de Cotovelo
33. Injeções intra-articulares do quadril
34. Injeções no Joelho
35. Injeções na Articulação Atlanto-Axial e Atlanto-Occipital
36. Estimulação de Nervos Periféricos
37. Estimulação Occipital
38. Estimulação da virilha
39. Discografia Cervical e Procedimentos Intradiscais
Perguntas frequentes

Os bloqueios nervosos guiados por ultrassom são procedimentos minimamente invasivos usados ​​para administrar anestésicos locais ou outros medicamentos próximos a nervos específicos, sob a orientação de imagens de ultrassom. Esta técnica permite o direcionamento preciso dos nervos para proporcionar um alívio eficaz da dor, interrompendo a transmissão dos sinais de dor.

O ultrassom desempenha um papel crítico no tratamento da dor, fornecendo orientação de imagens em tempo real para diversas intervenções, incluindo bloqueios nervosos, injeções e outros procedimentos. Ele permite que os profissionais de saúde visualizem estruturas anatômicas, direcionem com precisão a fonte da dor e forneçam tratamentos com precisão, melhorando, em última análise, os resultados e a segurança do paciente.

Uma injeção guiada por ultrassom administra medicamentos, como anestésico local ou corticosteróide, a uma área-alvo específica sob a orientação de imagens de ultrassom. Essas injeções podem proporcionar alívio da dor, reduzindo a inflamação, bloqueando os sinais de dor ou facilitando a cura, dependendo da condição subjacente a ser tratada.

Os procedimentos intervencionistas guiados por ultrassom incluem uma série de intervenções destinadas a diagnosticar e tratar condições de dor. Alguns procedimentos comuns incluem bloqueios de nervos, injeções nas articulações, injeções na bainha dos tendões, injeções em pontos-gatilho e procedimentos espinhais, como injeções epidurais de esteróides ou injeções nas articulações facetárias.

Um ultrassom diagnóstico no tratamento da dor envolve o uso de imagens de ultrassom para avaliar e diagnosticar condições de dor musculoesquelética e neuropática. Ele permite que os profissionais de saúde visualizem estruturas como músculos, tendões, ligamentos, nervos e articulações para identificar com precisão anormalidades, lesões ou fontes de dor.